A Estimulação Magnética Funciona na Depressão?


                Tem sido dito que, de maneira geral, a Estimulação Magnética tem a mesma eficácia que os antidepressivos. Em 2010 uma meta-análise publicado no JAMA (Journal of the American Medical Association) avaliou seis estudos (duplo cego randomizado controlado com placebo) num total de 718 pacientes utilizando antidepressivos ou placebo. O estudo demonstrou que os antidepressivos foram mais eficazes que o placebo em apenas 40% dos pacientes.
                Resultado semelhante foi obtido em 2008 num estudo mais amplo. Foram avaliados os dados de todos os ensaios clínicos submetidos ao FDA para aprovação dos antidepressivos Prozac, Paxil e Efexor. A taxa de eficácia das psicoterapias pode ser semelhante à dos antidepressivos, considerando a TCC (terapia cognitivo-comportamental), mas apenas nos casos leves a moderados. A diferenciação aparece nos casos moderados a graves ou nos graves, onde a TCC não é eficaz.
                O que difere a Estimulação magnética transcraniana dos antidepressivos, em estudos é o grupo alvo, ou seja, a estimulação é amplamente utilizada em pacientes resistentes (que não respondem a antidepressivos). Para que os estudos sejam comparáveis, os antidepressivos teriam que ser estudados em pacientes resistentes. Um outro aspecto a ser considerado é que a estimulação é igualmente eficaz na depressão bipolar e os antidepressivos tem o mesmo resultados que o placebo, quando associados a estabilizadores de humor, na depressão bipolar, ou seja, não demonstram eficácia.